100 termos em inglês para o PCP que você precisa conhecer


Atualizado em 12/03/24 - Escrito por Celso Monteiro na(s) categoria(s): Processos e Organização / Workflow

Glossario da gestão industrial - engenharia de produção

Conhecer os termos em inglês para o PCP é fundamental para os atuais e futuros profissionais da área.

Não é novidade a crescente participação de empresas estrangeiras aqui no Brasil. Como o idioma universal (principalmente nas indústrias) é o inglês, cada vez mais teremos que nos acostumar a reuniões ou conversas informais baseadas em nossos conhecimentos desta língua.

Recentemente participei de dois projetos em que tive contato direto com gestores da Alemanha e Itália, que testaram meu vocabulário e meus conhecimentos em engenharia para que o projeto tivesse sucesso. Assumindo essas experiências como base, senti uma certa dificuldade em encontrar na internet alguns termos técnicos que utilizamos à exaustão durante as reuniões de PCP que tivemos.

Como várias pessoas podem se encontrar na mesma situação, destaquei alguns importantes termos em inglês que podem ser utilizados na sua reunião, conferência ou conversa.

Saiba o que significa o termo em inglês:

1. Action plan – Plano de ação. É uma ferramenta para acompanhamento de atividades amplamente utilizada no mundo inteiro. Auxilia na coordenação das equipes, pois explicita quem é responsável por cada atividade, as datas de entrega e anotações /comentários sobre o progresso de cada tarefa.

2. Assembly line – Linha de montagem.

Veja também: História, objetivos e importância da engenharia de métodos para as empresas brasileiras

3. Average cost – Custo médio.

4. Batch/Lot – Lote de produção.

5. Batch/Lot size – Tamanho do lote de produção.

6. Batch number – Número de lote.

7. Bill of materials (BOM) – Lista de materiais. Em termos gerais, é a composição do produto fabricado, com os componentes e suas quantidades necessárias. Vulgarmente chamada de “receita do bolo”.

8. Business Intelligence (BI) – Inteligência empresarial. É um conjunto de técnicas e ferramentas para auxiliar na transformação de dados brutos em informações significativas e úteis a fim de analisar um determinado aspecto da empresa.

Veja também: Business Intelligence (BI): o que é, como funciona e como aplicar em uma empresa

9. Carrier – Transportadora.

10. CEO (Chief Executive Officer) – Diretor Executivo. Cargo mais alto e com maior autoridade dentro da hierarquia operacional de uma empresa.

11. CFO (Chief Financial Officer) – Diretor Financeiro. Cargo responsável pelos gerenciamento e resultados do setor financeiro.

12. Charts – Gráficos

13. Controller Gerente de controladoria.

14. Cost avoidance – Custos evitados ou anulados.

15. Customer – Cliente; Comprador.

16. Dashboard Conjunto de relatórios que formam um painel de relatórios pertinentes a um determinado setor, ou grupo de pessoas.

17. Delay – Atraso.

18. Delivery date – Prazo de entrega.

19. Down time – Tempo de inatividade.

20. EBITDA (Earnings before interest, taxes, depreciation and amortization) – LAJIDA (Lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização), em português.

21. Expedition/Dispatch/Shipment – Expedição; Envio; Remessa; Carregamento.

22. Follow up – Acompanhamento ou avaliação de algo que já foi feito.

23. Forklift – Empilhadeira

24. Forklift operator – Empilhadeirista

25. Goods – Compras; Mercadorias.

26. Inspection – Inspeção

27. Inspection Plan – Plano de inspeção.

28. Inventory – Inventário. 

29. Labor – Mão de obra. O mais comum é utilizá-la em conjunto com outra palavra, para especificar a informação referente à mão de obra. Por exemplo:

  • Labor time ► Tempo de mão de obra. Seria o tempo que o(s) funcionário(s) demanda(m) para realizar(em) alguma operação ou etapa do roteiro de produção do produto.
  • Labor rate ► Taxa de mão de obra. Seria a taxa (R$/h) referente ao(s) funcionário(s) que realiza(m) a operação ou etapa do roteiro de produção do produto.
  • Labor cost ► Custo de mão de obra. Seria o valor da fórmula Labor time * Labor rate. Em suma, é o custo da operação relativa a mão de obra empregada.

30. Lead timeTempo de espera. Esse tempo pode ser analisado em cada etapa do 

processo como:

  • Order Lead Time ► Tempo decorrido entre o recebimento do pedido de venda e a entrega do mesmo para o cliente.
  • Manufacturing Lead Time ► Tempo decorrido entre o recebimento do pedido de venda e a finalização da produção.
  • Production Lead Time ► Tempo decorrido entre o momento em que a primeira operação do roteiro foi iniciada até a finalização da última operação.
  • Delivery Lead Time ► Tempo decorrido entre a finalização da produção e a entrega para o cliente.

31. Machine – Máquina

  • Machine time ► Tempo de máquina. Seria o tempo que a máquina demanda para realizar alguma operação ou etapa do roteiro de produção do produto.
  • Machine rate ► Taxa de máquina. Seria a taxa (R$/h) referente a máquina que realiza a operação ou etapa do roteiro de produção do produto.
  • Machine cost ► Custo de máquina. Seria o valor da fórmula Macinhe time * Machine rate. Em suma, é o custo da operação relativa a utilização da máquina.

32. Manpower – Outro termo, além de Labor, para mão de obra.

33. Market Share – Fração do mercado controlada por uma empresa. 

34. MRP (Material Requirement Planning) – Planejamento das Necessidades de Material, a partir do plano mestre de produção, pela desagregação das listas de materiais e multiplicação pelas quantidades a serem produzidas. Tem como objetivo a apuração das necessidades líquidas a comprar e fabricar (caso a fábrica tenha produtos semi-acabados) considerando os estoques existentes.

Veja também: [eBook] MRP da teoria à prática: como funciona e como aplicar na sua indústria

35. Master plan – Plano mestre de produção.

36. MES (Manufacturing Execution Systems) – Sistema de Execução da Manufatura. Sistema responsável por controlar a produção, executado por um ERP ou por um sistema avulso. 

37. Overhead – Custos industriais que continuam a existir, mesmo se a fábrica não produzir nada.

38. Overhead crane – Ponte rolante.

39. Parings/Scobs – Aparas.

40. Plant manager – Gerente de fábrica.

41. Points – Apontamentos. Registros da fábrica que relacionam informações como n° ordem de produção, produto, operação, máquina, funcionário, qtd produzida, dentre outras informações que podem ser utilizadas para a geração de relatórios de produtividade, quantidade produzida por produto, máquina ou funcionário. Também podem ser utilizados para registrar períodos em que a máquina esteve parada.

42. PPC (Production Planning and Control) – PCP (Planejamento e Controle da Produção), em português.

43. Pricing – Estratégia para determinar o valor dos produtos, de forma a aproximá-los às expectativas dos clientes, a partir de insights, pesquisas e cálculos

44. Production cell – Célula de produção.

45. Production line – Linha de produção.

46. Production order – Ordem de produção; Ordem de serviço.

47. Production route – Roteiro de produção. Conjunto de operações que identifica o roteiro do produto pela fábrica até que o mesmo esteja pronto.

48. Profits – Lucro.

49. Profit Margin – Margem de lucro (%).

50. Purchasing area – Departamento de compras.

51. Purchase order – Ordem de compra; Pedido de compra.

52. Purchase price – Preço de compra.

53. Raw materials – Matéria prima.

54. Receiving area – Área de recebimento.

55. Reports – Relatórios.

56. RONA (Return On Net Assets) – Retorno sobre os ativos líquidos 

57. ROS (Robot Operating System) – Sistema Operacional de Robôs

58. Safety/Buffer stock – Estoque de segurança.

59. Sales forecast – Previsão de vendas.

60. Sales order – Ordem de venda, pedido de venda.

61. Sales price – Preço de venda.

62. Serial number – Número de Série

63. Schedule – Cronograma.

64. Shipping area – Área de expedição.

65. Shop Floor – Chão de fábrica.

66. SKU (Stock Keeping Unit) – Unidade de Manutenção de Estoque. Geralmente interligado ao código unitário do item, destina-se a identificar um produto ou serviço e todas as suas características como cor, tamanho, embalagem, etc. Um bom exemplo é o de uma empresa que fabrica um determinado líquido que é embalado em 10 embalagens diferentes. Neste caso, terão 10 SKUs diferentes para o mesmo produto.

67. Supplier – Fornecedor.

68. Supply chain – Cadeia de suprimentos.

69. To do list – Lista de afazeres. Pode estar ligado ao plano de ação.

70. To ship out – Despachar; Enviar.

71. Turnover – Rotatividade de pessoal.

72. UM (Unit Measure) – Unidade de medida (Ex: KG, L, Und, m², etc).

73. Warehouse – Almoxarifado.

74. Work Center/Cell – Centro/célula de trabalho. Nome dado ao conjunto de máquinas que possuem custos, características e funções semelhantes na produção.

75. YoY (Year over Year) – Ano após Ano. Também conhecido como Taxa de Variação Homóloga ou Taxa Homóloga, é responsável por fazer uma comparação entre os resultados obtidos em um determinado período do ano presente com os do ano anterior no mesmo período.

76. Allocation – Alocação

77. After parts – Peças sobressalentes, de reposição, também conhecidas como after parts. São utilizadas em reparos, também conhecidas como “service parts” ou “supplementary parts”; 

78. Service parts – Ver “after parts”;

79. Supplementary parts – Ver “after parts”;

80. Allocated Stock – Estoque alocado, que é a quantidade de itens armazenados e que já estão alocados. Calcula-se assim: inventário alocado = inventário real – inventário não alocado;

81. Anticipated Stock Planning – planejamento de estoque de antecipação;

82. Actual inventory – Inventário real, tudo que realmente está armazenado;

83. Backlog of orders – Backlog de pedidos, produtos que foram encomendados pelos clientes, mas que ainda não foram enviados;

84. Bottleneck – Ponto de estrangulamento, gargalo, ou restrição. É o gargalo de produção, aquilo que limita o desempenho ou a capacidade de produção da fábrica;

85. Customer order – Pedido do cliente, pedido de serviço do cliente, que tem tudo o que precisa ser entregue, quando e como para o cliente, qual cliente é etc;

86. Check digit – dígito de checagem, verificador ou de verificação, é o último dígito do código de barras;

87. Combined bill of materials – lista de materiais combinadas, quando se combina lista de materiais de mais de um produto para atender a um pedido;

88. Capacity Requirements Planning (CRP)Planejamento das Necessidades de Capacidade, processo de planejar a capacidade de produção disponível de uma indústria para que ela seja capaz de atender às demandas e metas de produção;

89. C-Chart – Gráfico C, ou gráfico de controle de número de defeitos, tipo de gráfico de controle para calcular o número total de defeitos nas unidades fabricadas, assim como um número médio de defeitos por unidade;

90. P-Chart – Gráfico P, ou gráfico de controle para fração de não-conformes, serve para averiguar e controlar a razão entre produtos não-conformes sobre o total de itens fabricados;

91. U-Chart – Gráfico U, ou gráfico de não conformidades por unidade de inspeção, usado para calcular o número médio de defeitos em um grupo de produtos;

92. Invoice – Nome em inglês para documentos que servem como nota fiscal, sendo que nota fiscal em si é um tipo de documento brasileiro, e seu preenchimento depende da natureza da operação e das legislações envolvidas;

93. Roadmap – Mapa de desenvolvimento, é o mapeamento dos próximos passos do desenvolvimento de um  produto, processo ou indústria, normalmente separado em versões, planejando correções e novos recursos, funcionalidades e outros tipos de novidades;

94. Man power – Mão-de-obra;

95. Headcount – Número de funcionários, número de colaboradores;

96. ROI – Return on Investment ou retorno sobre investimento;

97. Downtime – Tempo de inatividade, que é o período em que um sistema, máquina ou parte de um processo está indisponível;

98. Workflow – fluxo de trabalho, sequência de passos que são necessários para tornar os processos de um negócio considerando conjunto de regras definidas que dispõe as atividades em uma sequência lógica, geralmente com intenção de automatizá-lo;

99. Material consumption – consumo de materiais, quanto se utiliza de um determinado de material. Esse termo possui variações conforme o tipo;Raw material consumption – consumo de matéria-prima, quantidade de matéria-prima que é consumida na produção, termo variante de material consumption;

100. Retail – varejo;

Conhece mais algum? Deixe um comentário.

Espero que essas palavras, expressões e conceitos possa ajudá-lo na compreensão e interação nas próximas reuniões em que a língua inglesa seja necessária. Caso conheça mais algum termo que acabei não colocando na lista, deixe um comentário com a sua sugestão.

Conheça o Nomus ERP Industrial, criado pelos engenheiros de produção do Blog Industrial Nomus:

Software ERP Para controle da producao

8 Comentários

  1. guga 360 disse:

    Olá! algumas sugestões: Roadmap, rump up, flip chart, CEO, CFO, plant manager, controller, pricing, turn over, top down, work flow, storyboard, man power, head count, cost avoidance, EBITDA, hard saving, soft saving, scrap, ROS, RONA, EVA, down time, …

  2. Hermes Dagoberto disse:

    Gostei do assunto de sua divulgação, gostaria de ver se é pertinente para meu site.

    Sds.

  3. Diego Senedez disse:

    E qual o termo para usarmos para Consumo de Material ?

  4. RUBEM NASCIMENTO DA ROCHA disse:

    MES (Manufacturing Executing System) – Seria o sistema que controla a produção. Nem sempre pode estar integrado ou fazer parte do ERP da empresa, podendo ser um software à parte.

  5. NEEMIAS PASSOS RODRIGUES disse:

    Outros termos que uso no dia-a-dia: marketshare, wholesales, retail sales, sales overlap, over capacity, under capacity, tact speed up, trend market, assembly lines, part number, YoY…

  6. Rubens disse:

    Qual termo para a determinar a sequência em que deve ser executada a atividade em um determinado posto de trabalho?

  7. Emerson Dantas disse:

    Podemos incluir “CIF” e “FOB”
    CIF é uma sigla que significa “Cost, Insurance and Freight”, que traduzida para o português corresponde a “Custo, Seguro e Frete”. Nele, o vendedor assume a contratação do frete e o seguro dos itens transportados, até o momento em que a mercadoria chega ao seu destino. Portanto, essa responsabilidade termina somente quando a carga chega no endereço informado pelo cliente.

    No CIF, todos os custos operacionais do trajeto são incluídos no preço final do produto vendido, como o valor do frete e o seguro de transporte. Logo, o consumidor não precisa desembolsar valores extras.

    O que é frete FOB?
    FOB é uma sigla que corresponde à expressão “Free on Board” ou “Livre a Bordo”, em português. Nele, o cliente fica responsável pela integridade e pela entrega da mercadoria, ou seja, ele quem contrata o frete.

    Assim que a carga é embarcada, o fornecedor fica livre das obrigações específicas sobre o transporte daquele produto. Dessa forma, o comprador terá de resolver os trâmites necessários e pagar impostos relacionados.

    Além disso, existem custos extras imprevisíveis, mas que podem ser resolvidos ao fechar parceria com uma boa transportadora.

  8. Luiz Fernando disse:

    Alguns termos do Comércio Internacional.
    ETA (Estimated Time of Arrival) indica o instante estimado para chegada dos navios na barra, ou seja, na área de fundeio.
    ATA (Actual Time of Arrival) é o instante real registrado após esta chegada.
    ETB (Estimated Time of Berthing) indica o instante estimado para atracação do navio no berço do terminal designado.
    ATB (Actual Time of Berthing) é o instante real após o registro de atracação.
    ETD (Estimated Time of Departure) indica o instante estimado para desatracação e saída do navio do terminal após o fim da operação.
    ATD (Actual Time of Departure) é o instante real após o registro de desatracação.

Participe! Deixe o seu comentário agora mesmo: