Sistema PCP industrial: o que é, para que serve e quais são seus benefícios

Atualizado em 2/07/20 - Escrito por Thiago Leão Com colaboração de Karina Gomes e Rafael Campos na(s) categoria(s): Engenharia de produto / Estratégia / Logística / Processos e Organização / Produção

Comprar ERP

Com as exigências cada vez maiores do mercado e a grande concorrência tanto nacional quanto internacional, é primordial planejar, programar e controlar, através de um sistema PCP, o que se produz para ter uma indústria de sucesso. Sem passar por essas três etapas, o processo de produção se torna mais difícil e trabalhoso. Para isso, existe o PCP, o Planejamento e Controle da Produção.

Ele foi criado para contribuir com as estratégias de gestão cada dia mais complexas, cujos maiores desafios são aumentar a eficiência e o rendimento das empresas por meio da administração da produção.

Sendo assim, preparamos este artigo para explicar de forma clara e fácil o que é um sistema PCP Industrial, para que serve e quais são suas vantagens. Mas antes disso, veja o que o trio de ações citado no primeiro parágrafo pode fazer pelo seu negócio:

Para baixar e ler esse artigo em PDF, clique na imagem abaixo:

PCP para planejamento da produção

Não existe longevidade sem planejamento. Se você não traçar os próximos passos, sua empresa vai perder a força e ser engolida pela concorrência. Isso acontece por conta do mercado altamente competitivo e pelas constantes oscilações da economia global. Portanto, planejar de maneira geral deve ser um verbo constante no seu dia a dia.

E quando partimos para o planejamento de produção ele é ainda mais fundamental para sua empresa se destacar no mercado, como veremos com mais detalhes ao longo deste artigo.

Um sistema PCP existe todo um sistema para o planejamento da produção de uma indústria.

Os seus principais benefícios, são:

  • Saber quais produtos acabados devem ser fabricados para atender a demanda de clientes, evitando assim custos com excesso de estoque e perdas com falta de estoque;
  • saber quais produtos semi-acabados devem ser fabricados para atender o plano de produção, evitando atrasos na produção e excesso de estoque;
  • saber as matérias primas que devem ser compradas para atender o plano de produção, evitando atrasos na produção e excesso de estoque;
  • gerar as ordens de produção de forma automática para facilitar e agilizar o planejamento da produção;
  • gerar as solicitações de compra de forma automática para facilitar e agilizar o planejamento de compras;
  • descobrir os gargalos da produção e assim tomar ações para reduzir gargalos e evitar atrasos nas entregas.

PCP para programação da produção

Uma das estratégias de controle de produção mais eficientes é a programação. Essa ação contribui de maneira significativa para organizar a produção e explorar todos os recursos disponíveis de maneira consciente. Na verdade, um PCP que programa a produção é um PPCP, sigla para planejamento, programação e controle da produção.

Programar as atividades do maquinário e a atuação da mão de obra sobre ele é um passo importante para o bom andamento da produtividade. O Planejamento e Controle da Produção deve contar com agendas bem estruturadas e efetivas de todo o chão de fábrica.

Veja também: os principais benefícios do PCP

PCP para controle da produção

Não há controle de produção sem um planejamento. O gestor deve ter controle sobre o que foi planejando e sobre a programação para poder conferir se todas as atividades previstas ocorreram. Dessa forma, fica mais fácil cobrar resultados e corrigir falhas.

Essa é uma das marcas da boa gestão: ter controle sobre todas as informações da empresa. Isso é crucial para deixar o funcionamento da produção a todo vapor e manter a qualidade dos produtos.

O que é um sistema PCP

O Planejamento e Controle da Produção, o PCP, é um processo que auxilia o gerenciamento das principais operações de uma empresa.

Nesse caso, quando falamos de planejamento, nos referimos ao gerenciamento que estabelece antecipadamente quais são os objetivos a serem atingidos e como alcançá-los por meio da otimização e recursos de entrada. Nele, é necessário fazer as seguintes perguntas: como, quando e o que deve ser feito para cumprir as metas propostas.

Já o controle é a função administrativa que visa medir e corrigir o desempenho para certificar que os projetos estão sendo realizados conforme o planejado e da melhor maneira possível.

Portanto, o PCP possui um duplo propósito: atuar sobre os meios de produção para amplificar a eficácia e cuidar para que as metas de produção sejam plenamente alcançadas. Além disso, determina as quantidades a serem produzidas, o design da planta para o melhor rendimento do fluxo de materiais e as etapas para transformação dos insumos passo a passo.

Para esse sistema, é produzido o Plano Mestre de Produção (PMP), que é a carta mapa na qual estão as orientações do processo em geral, que você conhecerá logo mais neste artigo.

Como surgiu o PCP

Alguns dos seus princípios foram adotados em meados da Revolução Industrial, mais especificamente quando foi inventado, em 1785, o primeiro tear. Isso foi um grande passo para os primórdios do PCP, pois os trabalhadores deixaram de trabalhar em casa e precisaram executar seus trabalhos em engenhos. É o que podemos classificar de o primeiro planejamento e controle da produção.

Por volta de 1850, outros caminhos relevantes seriam percorridos para o PCP tornar-se o que é hoje. A Segunda Revolução Industrial acontecia e com ela a maquinação das oficinas.

E em 1924 algumas estratégias de PCP ganhariam mais corpo por meio dos esforços de Henry Ford, com a montagem de uma linha de produção em massa. Pois, foi a primeira vez que alguém colocou ordem na produção, separando as etapas, estipulando funções específicas.

Era o início acanhado das estratégias de PCP, que logo ganharia contornos mais robustos com o toyotismo, a partir de 1948, cujos princípios buscavam um padrão de qualidade mais rigoroso, maior segmentação e estoque mais enxutos, uma das características dos princípios do Lean Manufacturing (que só passaria a ser chamada assim na década de 90).

Mas isso só seria o começo da transformação tal qual como conhecemos atualmente. Nas décadas de 70 e 80, com a chegada dos computadores às empresas, algumas ferramentas para o auxílio do Planejamento e Controle da Produção ficaram mais práticas e acessíveis.

E de lá para cá, os avanços são inacreditáveis! A inteligência artificial, automação e internet das coisas são realidades praticamente sem limites, que auxiliam os processos industriais de forma fantástica.

Quais são as etapas do PCP

O PCP serve para definir diversos fatores que ocorrem nos processos que se dão antes, durante e depois da implementação de uma indústria. Eles ocorrem em quatro etapas: a longo, médio e curto prazos e pós-produção. Conheça cada um delas:

Longo prazo: Planejamento Estratégico

Essa fase estabelece um Plano de Produção de acordo com as estimativas de vendas de longo prazo e a disponibilidade financeira e produtiva. O cálculo de distribuições de longo prazo traça a previsão dos tipos e quantidades de produtos que se espera vender no horizonte de planejamento estabelecido.

No PCP, o Plano de Produção fornecido possui poucos detalhes, trabalhando normalmente com famílias de produtos, possibilitando a adaptação dos recursos produtivos à demanda esperada dos mesmos, a fim de alcançar os seguintes critérios estratégicos de desempenho: custo, qualidade, confiabilidade, pontualidade e flexibilidade.

Médio prazo: Planejamento Mestre

Já este determina a médio prazo, um detalhado Plano Mestre da Produção (PMP) de manufaturas finais, de acordo com o Plano de Produção, baseado nas previsões de vendas de médio prazo ou nos pedidos antecipados já confirmados.

A partir dos roteiros de fabricação e das estruturas dos materiais fornecidos pela Engenharia, o PMP identifica os itens finais das famílias de produtos. Estabelecido o PMP, o sistema produtivo assume as tarefas de fabricação e montagem dos itens ou serviços.

Ao finalizar o Planejamento Mestre da Produção e gerar um PMP iniciante, o PCP, a fim de identificar erros que possam impossibilitar a execução, analisa esse Planejamento Mestre da Produção em relação às necessidades de recursos produtivos.

Curto prazo: Programação da Produção

A partir dos registros de estoque e de informações passadas pela Engenharia e PMP, a Programação de Produção delimita, a curto prazo, quanto e quando comprar e fabricar cada material necessário para os produtos finais, de acordo com os recursos produtivos.

Programação de Produção faz o sequenciamento das ordens de compra para os itens fabricados internamente e ordens de compra para as montagens. Dependendo do sistema de programação da produção empregado pela empresa, a Programação da Produção emitirá as ordens a todos os setores responsáveis ou somente aos setores clientes dos supermercados montados.

Pós-produção: Acompanhamento e Controle

Esta última etapa garante que o programa de produção seja concretizado como planejado. Quanto mais rápida for a identificação dos problemas, mais concretas serão as ações corretivas para o cumprimento do programa.

Além de emitir informações que são úteis ao próprio PCP em suas tarefas, o acompanhamento muitas vezes apoia os outros setores de produção com a coleta de dados, como índices de defeitos, índices de quebras de máquinas, consumo de materiais, entre outros.

Software ERP

Qual o objetivo de um sistema PCP para uma indústria?

Os principais focos de um sistema para indústria de PCP para uma indústria estão na programação da produção, na logística, mão de obra, sequenciamento e monitoramento. Entenda cada um:

Programação da Produção

Determina quando será a execução de cada atividade executiva de acordo com uma avaliação da demanda total a ser fornecida pelo sistema produtivo. Essa tarefa pode ser feita de duas formas: programação para frente e para trás.

  • programação para frente: o prazo de entrega é minimizado, pois esse método programa a execução das atividades para o momento inicial no qual os recursos estarão disponíveis, e então a execução de cada etapa dá início à etapa posterior.
  • programa para trás: os recursos e o tempo alocados serão minimizados. Isso porque se determina em qual momento a atividade deve ser finalizada e programa as tarefas a fim de cumprir essa data.

Carregamento de máquinas e postos de trabalho

Para o cumprimento da programação da produção, é necessário fornecer certa carga de tarefa para cada posto de trabalho. É preciso conferir se a demanda de produtos é compatível com a capacidade de carga de cada operação. Essa fase pode ser dividida em dois segmentos: carregamento finito e infinito.

  • carregamento finito: é levada em conta a capacidade de cada etapa do processo de produção. Avalia-se o potencial de cada posto de trabalho para suportar a carga planejada e esse estudo é usado na programação de cada etapa produtiva. Esse carregamento é recomendado apenas para as funções de gargalo.
  • carregamento infinito: as restrições de cada posto de trabalho não são consideradas, e quando isso ocorre, é superficialmente. Isso porque, em muitos casos, a função do carregamento finito pode não ser viável. Portanto, carregamento infinito é utilizado na maioria dos postos de trabalho.

Sequenciamento e priorização da produção

Estabelece a ordem de execução das operações. O objetivo principal é determinar a ordem ou prioridade em que as mercadorias ou pedidos serão efetuados.

É importante definir a preferência dos produtos na execução de cada atividade, pois em muitos casos produtos diferentes compartilham a mesma fase de produção ou são usados pelo mesmo equipamento.

Monitoramento da Produção

Acompanha e coordena o plano de produção. No decorrer da produção, o planejamento deve ser informado sobre o desenvolvimento de cada etapa, para avaliar o cumprimento dos objetivos e produzir novos planos. Existem duas alternativas para o monitoramento: controle empurrado e puxado.

  • controle empurrado: ao finalizar suas tarefas, cada posto de trabalho empurra a matéria ou produto ainda não finalizado para a próxima etapa, que conclui o mais rápido a sua função, passando para a fase seguinte e assim por diante.
  • controle puxado: ao concluir sua atividade, o operador puxa o produto semi finalizado da etapa anterior. Dessa forma, a finalização de uma fase da produção dispara imediatamente a fabricação da etapa antecedente.

Vantagens da implantação do PCP

Agora que você já sabe como funciona e quais setores podem ser imensamente beneficiados pelo PCP industrial, vamos resumir as vantagens em implantar esse sistema. Confira:

Mais organização

A organização é uma das características das indústrias que levam o PCP a sério. Isso acontece por conta da sistematização dos processos que garante objetividade na linha de produção sobre o que fazer, quando, quanto, onde, como e em quanto tempo. O resultado é o ordenamento das atividades, dos postos de trabalho, do estoque, da logística e todos os setores envolvidos na indústria.

Integração completa

Ao implantar o PCP, o gestor não só atua sobre as atividades da produção, como também na integração dos demais setores de compras, comercial, estoque, recursos humanos, engenharia e financeiro. Essa integração facilita o alcance de metas, o trabalho em equipe e o cruzamento de diversas informações altamente valiosas para o bom andamento da indústria.

Monitoramento constante

Depois de planejar as atividades de produção, é mais do que essencial controlar os resultados. Isso faz toda a diferença na hora de contabilizar as perdas, ganhos, lucros e prejuízos.

Somente através do monitoramento permanente, o gestor perceberá as falhas dos processos e as mudanças capazes de melhorar o ambiente de trabalho e a lucratividade. Com o PCP isso fica mais fácil.

Informações atualizadas

O monitoramento constante só é executável graças aos sistemas de PCP que permitem o alinhamento das informações em tempo real. Essa facilidade coloca sua indústria a anos luz da concorrência, pois é a instantaneidade que evita inúmeros equívocos dentro da linha de produção e facilita a tomada de decisões estratégicas para o desenvolvimento de novos projetos e crescimento da empresa.

Segurança reforçada

Com o PCP, a sua margem de erros diminui bastante. Chega dessa história de errar os números do estoque ou produzir além da demanda. Um sistema de Planejamento e Controle da Produção trabalha com a real capacidade da sua fábrica.

Isso traz mais segurança nos contratos que podem ser firmados, nos riscos das sazonalidades e na margem do estoque a ser utilizada. Tudo isso para manter a sua indústria segura e longe de equívocos que podem arruinar o equilíbrio financeiro.

Desperdício amenizado

Sua linha de produção precisa trabalhar de olho no que realmente será comercializado. Por isso, o planejamento e controle do estoque são tão fundamentais quanto o monitoramento da área de vendas.

Essas ações reduzem o desperdício de itens, matérias-primas, mãos-de-obra e o emprego do tempo, que também é algo valioso para as organizações. Em suma, é economia de dinheiro.

Funcionários satisfeitos

Manter colaboradores motivados e engajados na sua causa não é simples. Isso demanda esforços da empresa e ainda tem um custo bastante elevado. Porém, quando você investe em PCP é mais fácil criar uma política de premiação de funcionários. Isso é possível por que você terá dados concretos sobre a produtividade de cada setor e cargos. Essa ação vai impulsioná-los e incentivá-los.

Qualidade superior

Seus produtos são bons o suficiente para se tornarem líderes no mercado? Se a resposta ainda é negativa, você precisa de um sistema de PCP. O Planejamento e Controle da Produção reflete positivamente sobre a qualidade dos seus artefatos, pois o seu chão de fábrica se tornará um ambiente mais organizado e você será capaz de identificar as falhas nos processos bem antes de chegarem às etapas finais de produção.

Comunicação eficiente

Há muito tempo, as grandes organizações perceberam que era chegado o momento de falar, mas também de ouvir. Quando você planeja, programa e controla a produção da sua fábrica, abre um canal de comunicação de via dupla. Empresa e funcionários têm responsabilidades firmadas entre os setores integrados e isso fomenta o diálogo e compartilhamento de ideias.

Custos reduzidos

Qual é o gestor que não busca reduzir os custos incansavelmente? Isso é uma realidade com o PCP, partindo dos princípios de que ele reduz os desperdícios, aumenta a produtividade, deixa os funcionários mais motivados e melhora a qualidade dos seus produtos, por meio de um ambiente de trabalho mais seguro, integrado e com monitoramento real e atualizado.

Módulos de um sistema PCP

Quando for procurar um sistema PCP para implantar na sua empresa, é importante verificar se ele possui os módulos necessários para planejar e controlar a produção.

Aqui está a lista de módulos e funcionalidades que o seu sistema PCP idealmente deve conter:

  • Engenharia
  • Produção
  • MRP II
  • Programação Fina
  • Chão de Fábrica

Agora detalhando mais os módulos, é preciso de algo como:

  • Módulo de Engenharia
    • Produtos
    • Componentes
    • Operações dos produtos
    • Configuração dos produtos
    • Grades
    • Arquivos Importados Engenharia
  • Módulo de Produção
    • Ordens
    • Empenhos
    • Operações das ordens
    • Movimentações de estoque
    • Log de movimentações integradas
    • Arquivos Importados Produção
    • Etiquetas de reporte de produção
    • Reserva de empenhos
    • Números de série de ordens
    • Reclassificação de produtos
  • Módulo de MRP II
    • Previsões de vendas
    • Planos de produção
    • MRP
    • CRP
    • Análise do CRP
    • Solicitações de compra
  • Módulo de programação fina
    • Programações
    • Programações personalizadas
    • Calendários
    • Eventos
    • Relatórios personalizados
  • Módulo de chão de fábrica
    • Apontamento
    • Requisição
    • Reporte de perdas
    • Identificação de produtos
    • formação de cargas
    • Devolução de requisição
    • Reporte da produção
    • Registro de Não conformidade
    • Romaneio de expedição
    • Monitoramento de requisições

Para ver mais detalhes sobre os módulos, recomendo que leia o artigo: Módulos de um ERP: o que são e para que servem

Tome a decisão certa para sua fábrica

Por ser um sistema que permite a geração de mais lucros através do processo de produção, a superar crises e alavancar a empresa no mercado, o PCP é perfeito para a sua indústria. Contudo, por ser um componente de extrema importância para o funcionamento das atividades fins, o PCP deve ser escolhido com muito rigor.

Se você também está interessado na melhoria contínua dos processos, baixe o nosso e-book sobre os 5 problemas que podem estar tirando dinheiro da sua indústria e aproveite todas as nossas dicas para adquirir o software de PCP que você precisa!

Nomus ERP Industrial

Compartilhe esta matéria:


Tags:


Engenheiro Mecânico Industrial formado na UERJ e especialista em implantação de sistemas de gestão Industrial na Nomus. Thiago já atuou em fábricas de diversos setores, como: Embarcações, perfuração submarina, metal-mecânica, materiais de escritório, alimentício, cosméticos e tubulação.


Participe! Deixe o seu comentário agora mesmo:




Junte-se a 47.312 gestores e profissionais da indústria

Receba dicas semanais de engenheiros de produção direto no seu email e turbine sua a gestão da sua indústria. Inscreva-se gratuitamente:


Seu email está seguro e você nunca receberá spam