Qualidade 4.0: o que é e quais seus diferenciais para a indústria


Atualizado em 30/05/23 - Escrito por Bianca Xavier na(s) categoria(s): Qualidade

Gestão da Qualidade

O conceito de qualidade 4.0 vem ganhando destaque em um mercado cada vez mais competitivo e exigente, que evolui constantemente com as mudanças tecnológicas.

Por isso, trouxemos o especialista em gestão de qualidade, Marcello Utiyama, para explicar os seguintes tópicos:

  • O que é qualidade 4.0?
  • Quais processos da qualidade foram impactados pelas inovações tecnológicas?
  • Maiores dificuldades enfrentadas pelas indústrias para atingirem excelência na qualidade
  • Principais indicadores da qualidade no mundo atual
  • Como um ERP pode contribuir para a qualidade?

Continue lendo para saber como levar a qualidade da sua empresa ao próximo nível de excelência.

Entrevista com o gerente da qualidade Marcello Utiyama

Acompanhe também no nosso podcast:

Veja também: Gerente da Qualidade: o que faz, formação e qual sua importância

O que é qualidade 4.0?

Qualidade 4.0 é um termo recente, que surgiu em decorrência da definição de Indústria 4.0, resultado da chamada 4ª Revolução Industrial, que continua em andamento, trazendo inovações ao setor industrial.

Essa revolução impôs o desafio da digitalização, tanto à indústria como um todo quanto ao setor de qualidade, que teve que se adaptar e se aprimorar de acordo com as novas tecnologias.

As características da qualidade 4.0 partem das expectativas dos clientes em relação à sua experiência de compra, que são:

  • Agilidade nos processos da empresa;
  • Qualidade do produto em seu primeiro recebimento;
  • Entrega realizada de maneira eficiente.

No geral, as empresas querem entregar uma boa performance para o seu cliente, cumprindo suas expectativas, a questão é: como chegar a esse resultado?

Diferentemente da qualidade tradicional, a qualidade 4.0 não se baseia na seleção e descarte de produtos que não atendam essas expectativas, nem em inspeções da qualidade.

Isso porque, atualmente, a perspectiva sobre a qualidade foi se desenvolvendo para uma visão da qualidade assegurada.

O que é qualidade assegurada?

A resolução da ISO 9000 também foi responsável por implementar essa ideia, já que se trata de um conjunto de normas que visam ajudar as empresas a implementarem a garantia de qualidade focando no processo.

Nesse entendimento, o processo é responsável por garantir a qualidade do serviço ou produto oferecido, sendo à prova de falhas.

Por isso, juntando a qualidade assegurada com o conceito de Lean, o processo de uma inspeção final não somente é desnecessário como também é um desperdício.

Nessa visão, a inspeção é vista como um procedimento que só é necessário se a empresa não é capaz de assegurar que o seu processo está gerando produtos dentro da qualidade esperada, por isso é preciso checá-los.

As inovações da Indústria 4.0 procuram garantir que essa ideia se torne cada vez mais uma realidade dentro das empresas.

No entanto, a qualidade 4.0 não se trata somente da utilização de tecnologia a fim de automatizar processos, já que é ineficaz trocar uma inspeção manual por uma inspeção robotizada, por exemplo.

A qualidade 4.0 é então uma filosofia em torno dos processos produtivos, que busca reformular a maneira que os gestores pensam esses processos desde sua origem. Seu objetivo é torná-los mais eficazes e aperfeiçoados, evitando desperdícios de materiais e de dinheiro.

Processos da qualidade que foram impactados por avanços tecnológicos

A qualidade 4.0 não pode existir sem o conceito de Lean, de acordo com o especialista entrevistado. Por isso, a evolução tecnológica que a acompanha deve sempre estar voltada para eliminar desperdícios e aprimorar processos.

Para explicar como a tecnologia pode ajudar na implementação da qualidade 4.0, o especialista Marcello Utiyama relatou um caso presenciado por ele em sua carreira.

Em uma empresa X, a reposição de materiais na linha de montagem era realizada de maneira manual pelos seus trabalhadores: um operário gritava para um operador dedicado à busca de materiais o que estava faltando, e este levava o material até a linha.

Com essa situação, havia um desperdício e um risco maior de danificação dos materiais através desse transporte desnecessário, além de um risco maior à segurança dos trabalhadores por conta de sua movimentação.

Para a aprimoração dessa situação, foram colocados tablets para os empilhadores e tablets handhelds na linha de montagem.

Através desses dispositivos, o operador da linha de montagem indicava a falta de materiais que o operador de empilhadeira recebia, juntamente com a informação do local onde esse material era necessário.

Dessa maneira, esse operador de empilhadeira, que não era dedicado somente a essa função, ficava apenas aguardando essa ordem, e a cumpria quando necessário.

Além disso, o operador da linha de produção era informado quando seu pedido havia sido aceito por outro trabalhador.

Sendo assim, a empresa conseguiu monitorar quanto tempo esse processo consumia e quais eram os padrões de abastecimento e os horários dos picos de demanda.

Esses picos de demanda afetam o ritmo de trabalho, o que afeta a qualidade do que está sendo produzido, já que para a qualidade, é mais interessante que esse ritmo seja constante.

Nesse caso, a tecnologia foi usada não somente para melhorar o processo e garantir um melhor ritmo de trabalho, mas para evitar o desperdício da movimentação desnecessária que ocorria na indústria.

Por isso, é importante aplicar o conceito de Lean na empresa antes de aplicar as tecnologias da indústria 4.0, pois isso pode ocasionar o uso da tecnologia em atividades que nem deveriam estar sendo realizadas.

A tecnologia tem apenas o papel de ser uma aliada na reestruturação dos processos da indústria de maneira estratégica, e não deve ser encarada como uma estratégia em si.

Dificuldades enfrentadas pelas indústrias para alcançar a excelência na qualidade

Alcançar a excelência nos processos de uma indústria a ponto de não ser necessária uma inspeção dos produtos não é uma tarefa fácil.

Por isso, muitas indústrias enfrentam dificuldades ao tentar implementar essa metodologia.

No entanto, o que deve ser considerado no processo, de maneira simplificada, é o controle das entradas, que definirá a qualidade das saídas.

Para isso, a empresa deve identificar quais são as entradas-chave do seu processo, sabendo quais são as atividades críticas que possuem maior impacto sobre a qualidade final do produto ou serviço.

Essa etapa de identificação das entradas críticas é a mais trabalhosa, que costuma causar maiores dificuldades para os gestores.

Além disso, também é trabalhoso criar mecanismos para controlar essas entradas, como por exemplo garantir as especificações corretas da matéria-prima solicitada.

Logo, você precisa se certificar de que o seu fornecedor também garante sua qualidade, controlando suas entradas.

Tomar esses cuidados na realização do seu processo é mais trabalhoso e requer um maior investimento, do que apenas realizar uma inspeção.

Ademais, para que a qualidade 4.0 seja colocada em prática, um ponto fundamental deve ser observado: a implementação do Lean – ou manufatura enxuta – na indústria.

Principais indicadores da qualidade

Os indicadores da qualidade utilizados variam de acordo com o negócio onde este setor está inserido. No entanto, alguns indicadores são comuns a diversos setores e devem receber atenção especial.

Um deles, por exemplo, é o on-time delivery ou a entrega no tempo correto, que é a entrega no tempo necessário.

A maneira como esse indicador é medido pode depender da empresa, já que um e-commerce pode medir esse tempo como desde o momento em que o cliente faz o pedido até esse produto estar em suas mãos.

Esse indicador pode ser considerado um indicador de qualidade assim como um indicador de logística, dependendo do gestor.

Outro indicador que Utiyama considera essencial são os custos da poli qualidade, que podem abranger diversos possíveis problemas, como:

  • Custos de garantia;
  • Custos de retrabalho;
  • Custos de desperdício;
  • Erros de estimativa.

Se destacam especialmente os custos de garantia, que devem indicar qual é exatamente o problema de garantia que a sua indústria possui.

Um desses problemas, que também é importante de ser acompanhado, é a chamada taxa de falha.

Esse indicador também deve ser acompanhado de perto para que a empresa entenda se seu produto está tendo uma morte prematura, o que é uma situação complexa que exige um conhecimento técnico muito grande para sua resolução.

Essa situação pode levar a uma insatisfação dos clientes e, consequentemente, menos vendas para a empresa.

Por isso, os indicadores da qualidade são essenciais para uma boa relação com os clientes, acompanhando de perto o funcionamento do seu produto ou serviço.

Exemplo de indicador de inspeção da qualidade no sistema Nomus ERP Industrial

Como um ERP pode ajudar na identificação de falhas na produção

Para que uma indústria atinja uma qualidade ideal em sua produção, é fundamental que haja rastreabilidade dos processos, para que se obtenha controle.

Utiyama afirma que a tecnologia é essencial nesse aspecto, já que um ERP é a maneira mais eficaz para o rastreio de lotes, datas, clientes e outras informações importantes.

Dessa maneira, a sua empresa é capaz de localizar produtos defeituosos que forem colocados no mercado, identificar lotes de matérias-primas que possam ter causado problemas etc.

Com a rastreabilidade, na situação de produtos defeituosos ou que causem algum dano ao público, é possível retirar apenas o lote correspondente, gerando menos desperdícios.

Além disso, também é possível evitar danos incalculáveis para a reputação da marca e danos para os clientes.

Por último, o especialista Marcello Utiyama afirma que, seja intencional ou não, toda empresa possui um controle de qualidade.

No entanto, o pior tipo de controle de qualidade que existe, é aquele que é feito pelo cliente.

O cliente não é responsável por identificar os problemas da produção de uma indústria, e se isso ocorre, há algo de errado com o seu processo que deve ser revisto o quanto antes.

Exemplo de controle de inspeção no sistema Nomus ERP Industrial

Mas o que fazer se essa situação desagradável ocorrer?

Utiyama afirma que, mesmo nessas circunstâncias, nem tudo está perdido. Um bom pós-venda é capaz de salvar e até reverter a opinião do cliente.

A maneira como a empresa reage ao problema, admitindo e reparando seus erros, pode transformar esse cliente em um promotor da sua indústria.

Dessa maneira, é importante que a indústria se atente à qualidade em todo o seu processo, desde a escolha dos fornecedores até o atendimento ao cliente, resultando assim em uma empresa mais lucrativa e clientes mais satisfeitos.

A qualidade 4.0 traz uma nova camada a essa preocupação, uma nova mentalidade em torno dos processos da indústria e envolve a tecnologia que seja capaz de sustentar essa inovadora filosofia em torno desse setor essencial.

Continue acompanhando o Blog Industrial

Se você gostou desse conteúdo, se inscreva em nossa lista de e-mails. Assim, você recebe os nossos posts em primeira mão e não perde nenhuma novidade do Blog Industrial da Nomus.

Gestão da Qualidade
Compartilhe agora mesmo:

Um comentário

  1. Omar Reis disse:

    Gostei bastante da entrevista

Participe! Deixe o seu comentário agora mesmo: