Sistema ERP na nuvem ou local: Qual é a melhor opção para a sua indústria?

Atualizado em 21/02/20 - Escrito por Thiago Leão com colaboração de Karina Gomes na(s) categoria(s): Estratégia / Processos e Organização

Comprar ERP

Sistema ERP na nuvem ou instalado localmente? Você sabe dizer qual é o melhor e por que?

O sistema ERP tem sido bastante procurado pelas indústrias por conta das inúmeras vantagens oferecidas, principalmente a de agregar processos essenciais e permitir uma visão geral da empresa, o que gera informações fundamentais para a gestão da fábrica.

A etapa de escolher o fornecedor é extremamente importante para o sucesso do projeto e, consequentemente, da fábrica. É preciso estudar muito para entender como escolher o ERP certo para sua indústria. E para essa decisão ser ainda mais certeira, é necessário que você entenda a diferença entre a hospedagem na nuvem ou localmente.

Por isso, listei neste artigo tudo que você precisa saber de cada hospedagem, assim como as vantagens e malefícios de cada uma. Confira:

sistema erp na nuvem

1. Diferenças gerais

Existem diferenças bem específicas entre a hospedagem na nuvem e a local, porém, é preciso primeiro entender a principal divergência entre as duas, que é:

  • Sistema ERP na nuvem: a instalação é oferecida em forma de uma prestação de assinatura. Nesse sistema, os usuários acessam os dados de forma on-line, ou seja, por meio de um navegador web.
  • Sistema ERP local: a instalação é, como sugere o nome, executada localmente no hardware e nos servidores das indústrias, além de ser gerenciado pelo(s) funcionário(s) de Tecnologia da Informação (TI). O acesso aos dados é feito por computadores da fábrica sem precisar de conexão com a internet.

Tendo em mente esses conceitos, passamos para as distinções mais específicas dos dois tipos de sistema ERP.

2. Custos básicos

Para a aquisição de um sistema ERP para a sua indústria, existem os custos que podemos chamar de básicos, ou seja, que são comuns a todas as fábricas que desejam instalar, sem entrar em detalhe nas especificações de cada segmento industrial. E nessa questão financeira, os dois tipos de ERP Industrial se diferem da seguinte forma:

  • Sistema ERP na nuvem: A aquisição é feita por meio de um contrato que estabelece todos os custos adicionais sobre serviços como treinamento da equipe, suporte no ERP, atualizações do sistema e equipamentos necessários tanto para a instalação quanto para a manutenção. A assinatura desse ERP é mantida por um pagamento mensal.
  • Sistema ERP local: Para esse caso, a indústria possui gastos que vão desde a instalação até o contrato de especialistas. Como é instalado localmente, esse tipo de ERP implica em despesas sobre a compra de uma licença inalterável, infraestrutura com hardware e servidores, e admissão de profissionais capacitados. Além disso, outro custo é necessário, que é treinamento da equipe e contratação de um especialista para realizar a operação do ERP.

Destacados os gastos dos dois tipos de sistema ERP Industrial, é possível perceber que no ERP local existem mais gastos que no que é instalado em nuvem. Devido ao fato de ter menos burocracia e procedimentos para sua instalação, o ERP em nuvem gera menos gastos a uma indústria.

Obviamente, a acessibilidade do ERP em nuvem não pode ser uma regra geral, já que há casos específicos em que os fornecedores cobram preços que sobressaem os oferecidos pelo sistema local. Porém, na maioria dos casos, essa consideração se faz verdadeira e, ao decidir contratar o sistema ERP local, os profissionais responsáveis devem traçar um orçamento maior, além de pesquisar profissionais que possam trabalhar para o funcionamento do mesmo.

É utilizado o termo CAPEX, que significa despesa de capital, para fazer referência aos custos do ERP locais, os quais necessitam de grande investimento. Já para os gastos do ERP em nuvem, usamos a sigla OPEX, referente ao termo despesa operacional, que significa uma despesa a mais à indústria, como custos de: conservação, execução e instalação.

3. Benefícios

Entre os principais tópicos sobre as diferenças entre os tipos de ERP para a sua indústria, não pode faltar o de benefícios que cada um proporciona a sua empresa. Portanto, confira e analise cada ponto positivo dos dois sistemas:

Sistema ERP em nuvem:

  • Os gastos que sua indústria terá durante o tempo em que mantiver esse ERP são previsíveis, o que permite que os gestores, com o trabalho do setor financeiro da indústria, façam o planejamento do fluxo de caixa incluindo a nova aquisição da empresa. Isso porque toda a manutenção e previsões de mudança no sistema já são incorporadas no contrato inicial.
  • Ainda no ponto anterior, é possível investir com um valor baixo e acrescentar parcelas ao longo do crescimento da indústria, já que o sistema permite uma aplicação mais baixa em sua compra.
  • Outra vantagem importante é que a indústria não precisa contratar serviços adicionais de hardware, já que o sistema é instalado na nuvem. Portanto, investimentos em um servidor e em infraestrutura são descartados. E, por sua praticidade de instalação, o ERP em nuvem demanda um tempo menor de instalação, podendo atender com mais rapidez as necessidades da indústria.
  • Por ser um sistema totalmente web, o ERP em nuvem deixa por conta de seus usuário a responsabilidade pela proteção dos dados que ali são gerados ou supervisionados. Porém, fica por conta do fornecedor a execução de tarefas mais específicas, como backup do sistema ERP e administração de armazenamento e amplitude, por exemplo.
  • Em relação às atualizações, o ERP em nuvem é atualizado para versões mais atuais de forma prática, e, por isso, nele ocorrem mais modernizações sem produzir interferências negativas no comprador. Além disso, como o fornecedor não exige um contrato longínquo, o cliente pode facilmente fazer mudanças e/ou aperfeiçoamentos em seu sistema.
  • Por fim, as indústrias podem trabalhar diretamente com a empresa fornecedora para avaliar as transformações que melhor cabem ao seu sistema, o que proporciona uma maior segurança e confiança por parte do cliente.

Sistema ERP Local:

  • Com a instalação local, o ERP possui mais capacidade para personalizar de acordo com as preferências e necessidades do cliente
  • A segurança dos dados está nas mãos da organização, portanto, se você fizer um sistema desconectado da internet, pode diminuir bastante o risco de vazamento de informações.
  • Outra vantagem é que a indústria possui um grande controle sobre a implantação, já que a maior parte do processo ocorre na empresa.
  • Por fim, esse sistema oferece mais um ponto positivo, que é a capacitação da equipe, uma vez que para gerenciar a disponibilidade de aplicação e evolução e também executar tarefas como backup e atualização do software é preciso ter muito conhecimento e técnica, já que qualquer erro pode ser crucial para a indústria.

Veja também: pesquisando um sistema ERP na nuvem? Baixe esse ebook gratuito e faça a escolha certa para sua indústria.



4. Malefícios

Como não é possível que a aquisição provoque apenas efeitos positivos, analisar os danos que cada tipo de sistema ERP pode causar a sua indústria pode ser o critério final para a escolha. Portanto, analise cada um dos fatores:

Sistema ERP em nuvem

  • É necessário ter acesso a internet para utilizar o sistema.
  • O fornecedor tem controle da segurança dos dados da sua indústria, portanto, caso não escolha uma empresa que tenha um padrão de controle e confiabilidade de proteção, a fábrica pode ter grande prejuízo.
  • Em relação ao sistema ERP local, é menos personalizável, principalmente se o fornecedor oferecer um tempo curto de implantação. De início, pode parecer uma vantagem, por conta da pressa que a indústria possui sobre o funcionamento do ERP. Porém, com o tempo, a empresa pode sentir falta de customizações que não fazem parte de sua aquisição por conta da duração do processo de implementação.

Sistema ERP Local

  • Como já foi mencionado, ao adquirir esse ERP, o cliente não tem uma previsão dos gastos que o sistema exige. Portanto, fechar negócio pode ser arriscado. Além disso, alguns fornecedores costumam ocultar custos, como o de TI, conservação do sistema e o de compra, por exemplo.
  • Além disso, como é a gestão da própria indústria que possui a responsabilidade pela proteção dos dados, é possível que cometa falhas ao administrar o sistema.
  • Apesar da maior possibilidade de personalização ser citada como uma vantagem, a implantação pode ter um tempo muito grande por conta desse fator, o que torna o mesmo um malefício.
  • Ainda na questão da administração do sistema, há atividades críticas que podem ser executadas com erros, o que causa prejuízos ao funcionamento do ERP e, consequentemente, da indústria, até mesmo com perdas de informações essenciais para a gestão.
  • Por último, com o ERP local, a capacidade de atualização de novas alternativas fornecidas pelo fabricante do sistema é baixa. Isso causa uma estrutura sem muitos aprimoramentos ao longo do tempo.

Agora que você já conhece as principais características, semelhanças e diferenças entre os sistemas de ERP local e em nuvem, é hora de analisar fornecedores e entender em qual tipo a sua indústria se encaixa e qual solução oferece as melhores alternativas para as necessidades do seu negócio.

Para aprimorar o conhecimento, leia:

A solução perfeita para sua indústria

Os Engenheiros de Produção da Nomus, após muitos estudos e experiências em encontrar soluções para indústrias, criaram o Nomus ERP: um sistema que consegue atender as carências das médias e pequenas fábricas.

Algumas de suas características são:

  • Gerenciar vendas e faturamento;
  • Controlar o setor financeiro;
  • Organizar compras e estoque;
  • Otimizar a produção;
  • Controlar os custos de produção;
  • Controlar a qualidade de forma total.

Outra vantagem do ERP Industrial é que pode ser um sistema ERP na nuvem ou instalado localmente.

Quer conhecer mais? Assista uma demonstração do ERP Industrial Nomus e conheça o software que tem ajudado diversas indústrias e aumentado seus faturamentos!

Nomus ERP Industrial

Compartilhe esta matéria:


Tags:


Engenheiro Mecânico Industrial formado na UERJ e especialista em implantação de sistemas de gestão Industrial na Nomus. Thiago já atuou em fábricas de diversos setores, como: Embarcações, perfuração submarina, metal-mecânica, materiais de escritório, alimentício, cosméticos e tubulação.