Pesquisa de clima organizacional: o que é e como aplicar?


Atualizado em 14/07/22 - Escrito por Beatriz Azevedo na(s) categoria(s): Recursos Humanos

Liderança na indústria

Pesquisa de clima organizacional é uma ferramenta usada por empresas para o estudo e avaliação de suas estruturas organizacionais, seus ambientes e seus valores pelos olhos de seus colaboradores. 

A pesquisa é muito importante, já que permite que os gestores avaliem o impacto do nível de insatisfação na produtividade e resultados da empresa, e consigam criar uma estratégia de RH mais eficaz.

Conforme foi falado no artigo “Conheça os 6 principais processos de gestão de pessoas”, o processo de monitorar a integração e a performance dos colaboradores, assim como a manutenção do ambiente de trabalho, é fundamental para o bom funcionamento de uma empresa e o desempenho de seus resultados. 

Dito isso, falaremos neste artigo sobre a pesquisa de clima organizacional, uma das ferramentas de monitoramento mais utilizadas no meio profissional.

Serão abordados os seguintes tópicos:

Com a aplicação da pesquisa de clima organizacional, os atributos da sua empresa, como os listados a seguir, serão fortalecidos:

  • Produtividade
  • Imagem positiva da empresa e de seu produto/serviço
  • Redução da rotatividade/turnover
  • Satisfação dos colaboradores
  • Ambiente de trabalho saudável
  • Impulsionamento dos resultados financeiros 

Continue lendo o artigo para compreender melhor o significado e a aplicação dessa pesquisa de clima.

Pesquisa de clima organizacional

O que é pesquisa de clima organizacional?

De acordo com Chiavenato:

“Quando há elevada motivação entre os membros, o clima organizacional se eleva e traduz-se em relações de satisfação, animação, interesse, colaboração irrestrita, etc. Todavia, quando há baixa motivação entre os membros, seja por frustração ou imposição de barreiras à satisfação das necessidades, o clima organizacional tende a baixar, caracterizando-se por estados de depressão, desinteresse, apatia, insatisfação, etc.”

Conforme foi dito anteriormente, a pesquisa de clima organizacional é uma ferramenta que funciona como um norte para as empresas identificarem o nível de satisfação dos empregados e criarem estratégias a serem implementadas para a melhoria do ambiente de trabalho. 

Essa melhoria impacta e influencia diversos aspectos da empresa, como a taxa de turnover, a produtividade, otimização de produção, entre outros, como veremos a seguir. 

Qual a importância da pesquisa de clima organizacional?

Com a pesquisa de clima organizacional, as empresas são capazes não apenas de identificar a visão dos colaboradores sobre ela e as suas insatisfações, como também estudar os seus motivos e aplicar mudanças a partir disso, visando a manutenção de um ambiente de trabalho saudável. 

Essa manutenção desencadeia uma série de benefícios para os colaboradores e, consequentemente, para a empresa, como a implementação de ações motivacionais e programas de benefícios, redução da taxa de turnover, identificação de falhas e gargalos, otimização da cadeia de produção, entre outros.

Isso gera um aumento da produtividade, efetividade e agilidade dos processos internos das organizações e, portanto, o impulsionamento do seu retorno financeiro.

Como montar a pesquisa de clima organizacional?

Para a montagem de uma pesquisa de clima organizacional – feita, normalmente, pelo RH em parceria com a gestão empresarial, é necessário que seja feito um planejamento bem estruturado, a fim de gerar bons resultados.

As perguntas incluídas devem ser estratégicas e refletir os pontos frágeis da empresa, as pontas soltas de cada setor, para que assim o RH e os gestores possam estudar cuidadosamente os resultados e aplicar mudanças.

Porém, tanto a intenção da pesquisa quanto sua montagem, variam de acordo com a realidade de cada empresa, assim como variam de setor para setor.

A estrutura da pesquisa pode ser composta por perguntas com respostas discursivas, respostas pré-definidas em formato de múltipla-escolha ou em escala – de 0 a 10 ou de “concordo plenamente” a “discordo plenamente”, por exemplo. Porém, mesmo nesses dois últimos casos, é válido incluir um espaço para deixar os participantes livres para falarem sobre suas ideias de melhoria. 

Quanto ao teor das perguntas, os responsáveis pela formulação da pesquisa devem incluir perguntas gerais, em relação, por exemplo, à cultura organizacional da empresa, programa e política de benefícios e o ambiente físico, e outras mais subjetivas, como em relação à diversidade, relacionamentos interpessoais, postura da liderança, funções executadas.

Como aplicar a pesquisa de clima organizacional?

Outro fator que varia de acordo com a empresa, é a frequência de aplicação da pesquisa. Geralmente, ela é aplicada anualmente, porém, também pode ser usada pontualmente, no caso de assuntos urgentes e específicos.

É importante destacar que a pesquisa deve sempre assegurar o sigilo das informações pessoais de cada participante, isso é essencial para que não se sintam inibidos e produzam respostas autênticas aos sentimentos e experiências dos membros da equipe. 

Portanto, o ideal é que a pesquisa seja feita de forma anônima, como também a empresa deve atender, na medida do possível, ao que for relatado nas pesquisas para criar e manter um ambiente de trabalho saudável para todos. Afinal, aplicar pesquisas de clima organizacional e não agir quanto aos resultados mensurados, afetará a veracidade das informações coletadas nas pesquisas seguintes.

Como gerir as mudanças, a partir dos seus resultados?

A metodologia do Ciclo PDCA, tem como objetivo principal promover a melhoria contínua dos processos e produtos, ou serviços, das empresas, como também a resolução de problemas e falhas presentes em tais processos, sejam estes automatizados ou ligados às relações humanas. Esse ciclo se divide em 4 fases: Planejar, Fazer, Checar e Agir.

O Ciclo PDCA possibilita a criação de um planejamento estratégico, principalmente, para problemas mais difíceis de serem identificados e que passaram por várias tentativas de resolução, sem sucesso. Para isso, o ciclo PDCA divide-se em 4 fases:

  • Planejar – Criação de um plano com metas e estratégias traçadas;
  • Fazer – Execução do plano prévio;
  • Checar – Verificação dos resultados obtidos, e levantamento de erros e acertos cometidos no processo;
  • Agir – Identificação de gargalos da produção e melhorias a serem implementadas, além de quais ações podem ser padronizadas para que sejam alinhadas às expectativas do planejamento inicial e à rotina do ambiente de trabalho.

O ideal é aplicar uma nova pesquisa após a implementação das mudanças identificadas como necessárias dentro da empresa, para que os dados coletados possam ser comparados.

Receba conteúdos semanais do Blog Industrial da Nomus

Agora que você já conhece a pesquisa de clima organizacional e o modo como aplicá-la, é hora de conhecer mais sobre os os processos internos dos mundos empresarial e industrial. 

Se inscreva na lista de e-mails do Blog Industrial e siga a Nomus em sua rede favorita:

Liderança na indústria

Participe! Deixe o seu comentário agora mesmo: