Você sabe o que é manutenção preventiva? Entenda como funciona

Atualizado em 25/10/19 - Escrito por Thiago Leão na(s) categoria(s): Estratégia / Manuteção / Processos e Organização / Produção

Ebook de manutenção industrial

Dando sequência a série de artigos sobre a importância da manutenção, na semana passada falamos sobre a manutenção corretiva e hoje vamos falar sobre o que é a manutenção preventiva, como funciona e quando implantá-la.

Ter equipamentos na empresa requer alguns cuidados, não é mesmo? Com o tempo e o uso, as máquinas se desgastam, começam a ter quedas no desempenho e podem apresentar defeitos. Isso prejudica a qualidade do trabalho e a velocidade da linha de produção.

Para evitar esses problemas, existe a manutenção preventiva, um conjunto de procedimentos em que há avaliações e correções nos aparelhos para que tudo fique em ordem.

Quer saber mais sobre a manutenção preventiva? Confira o nosso artigo e entenda mais sobre esse tipo de manutenção.

O que é a manutenção preventiva?

A manutenção preventiva é uma ação planejada e sistemática de revisão, controle e monitoramento dos equipamentos. Ela é feita periodicamente, com o objetivo de reduzir ou impedir falhas do instrumento.

A manutenção corretiva, ao contrário, é realizada quando já há a ocorrência de um problema no aparelho. Ou seja, ela é uma estratégia de remediação, pontual, não periódica e não sistematizada.

Ambas implicam em uma parada nos procedimentos produtivos, já que a máquina não pode estar em operação enquanto ela passa por uma revisão. Porém, na manutenção corretiva, a pausa é feita em momento de urgência. Já na preventiva, o processo é todo previamente elaborado para evitar danos à produção.

A manutenção preventiva normalmente é utilizada para evitar falhas em máquinas depois de um tempo ou volume de uso. Para isso, são agendados gatilhos que ativam a manutenção.

Se levarmos em consideração um carro por exemplo, poderíamos dizer:

  • Manutenção preventiva baseada no tempo: Trocar o óleo a cada 6 meses
  • Manutenção preventiva baseada no uso: Trocar o óleo a cada 10.000 KM
  • Manutenção preventiva mista: trocar o óleo a cada 6 meses ou 10.000 KM o que ocorrer primeiro.

Esses gatilhos dependem da máquina e do tipo de produção da sua empresa, por isso é preciso ficar atento as especificações dos equipamentos que sua indústria comprar.

Quais são as vantagens da manutenção preventiva?

Há uma série de vantagens em fazer a manutenção preventiva dos equipamentos. Entenda como funcionam os benefícios da manutenção corretiva:

Resolução de uma ampla série de problemas

Com uma revisão periódica programada, você vai identificar defeitos logo de início. Assim, qualquer problema pode ser remediado com rapidez, sem alardes na organização. Como o processo é programado, a organização não prejudica a sua capacidade produtiva.

Além disso, quando a máquina está com defeito em alguma área, ela consome mais energia para compensar a falha. Ou seja, a manutenção preventiva permite que o consumo energético do equipamento seja otimizado.

Alongamento do tempo de vida da máquina

Quando uma máquina está com defeito e começa a operar de forma problemática, ela tende a se desgastar mais. Assim, toda a engrenagem interna é prejudicada. Uma peça defeituosa pode exigir mais esforço do componente que está ligado a ela, o que encadeia na danificação progressiva do aparelho.

Com a manutenção preventiva, entraves em uma parte do aparelho são facilmente identificados. A questão pode ser solucionada com rapidez, o que evita que outras regiões do maquinário sejam afetadas. Isso prolonga a durabilidade do equipamento e melhora o desempenho operacional dele, o que é mais sustentável e lucrativo para a corporação.

Aumento da disponibilidade de tempo para pesquisar e avaliar peças novas

A manutenção pode identificar a necessidade de troca de peças. Como a manutenção preventiva é feita com antecedência e de forma planejada, você tem tempo para pesquisar melhores preços no mercado e comprar os itens em maior quantidade, o que também pode ser negociado de uma forma mais vantajosa.

Na manutenção corretiva, você teria que adquirir as peças às pressas. Isso impediria a realização de uma pesquisa e a compra seria feita em menores quantidades, o que encarece os preços e traz condições de pagamento mais difíceis.

Quais são as desvantagens da manutenção preventiva?

A manutenção preventiva é um processo que apresenta um retorno positivo, mas que é um pouco trabalhoso. A corporação precisa se organizar para manter um banco de dados sobre as revisões das máquinas, incluindo as ocorrências em cada equipamento e as alterações que foram feitas. Porém, essa organização é importante para qualquer empreendimento.

Além disso, a realização da manutenção reduz a probabilidade da tecnologia ser danificada, mas ainda há uma possibilidade bem pequena do aparelho estragar.

manutenção preventiva

Por que a manutenção preventiva é mais eficiente e econômica?

O processo de fazer a manutenção preventiva inclui a realização de um planejamento para que as máquinas sejam revisadas, sem provocar um grande impacto na produção. Você pode pensar nos procedimentos operacionais com bastante cuidado para que a parada no trabalho não prejudique todo o ciclo produtivo.

Sua empresa pode também planejar os prazos, para que as manutenções não desencadeiem em atrasos nas entregas.

Já a manutenção corretiva acontece de forma imprevista e exige a parada imediata das atividades. Dependendo da mercadoria, podem ocorrer perdas consideráveis, além de haver o risco do não cumprimento de prazos, o que prejudica a imagem da organização diante dos clientes.

Caso a manutenção preventiva não seja realizada, a chance de ocorrer um acidente de trabalho é maior, porque o maquinário pode estar com danos e operando de forma problemática.

Isso coloca a equipe em risco e traz uma série de prejuízos para a corporação. O aparelho pode estragar no meio de um momento crucial da produção, e a matéria-prima e todos os recursos investidos naquela etapa podem ser perdidos.

Use a Classificação ABC para máquinas e equipamentos  

Como vimos acima, existem diferentes tipos de manutenção e cada uma é mais adequada para situações e equipamentos diferentes.

Pensando nisso, você pode usar a classificação de tipos A, B e C e assim determinar qual é a melhor forma de realizar a manutenção das suas máquinas e equipamentos.

Vou detalhar para que você entenda melhor como classificar os equipamentos da sua fábrica, confira:

Classificação de equipamento tipo A     

Os equipamentos Tipo A são considerados de alta prioridade. Ou seja, são os mais importantes e que podem causar grandes prejuízos caso parem de funcionar.

Além disso, a máquina Tipo A pode ser também o equipamento que ofereça riscos de acidentes aos funcionários e/ou danos ao meio ambiente.

Com isso em mente, as máquinas Tipo A precisam de mais atenção e cuidado da empresa. Portanto, é indicado o uso de manutenção preditiva para identificar possíveis problemas e falhas, além de otimizar o uso do equipamento.

Classificação de equipamento tipo B       

Os equipamentos Tipo B são as máquinas com uma prioridade média, ou seja, caso venham parar, causam prejuízos a produção mas possuem baixo risco e podem ser consertadas rapidamente.

Nesse caso é recomendado o uso da manutenção preventiva e, caso a indústria precise, também é recomendado a utilização da manutenção preditiva.

Classificação de equipamento tipo C

Os equipamentos Tipoc C são as máquinas que, ao pararem, não geram prejuízo para a produção e nem colocam sua equipe em risco.

Sendo assim, sua prioridade é baixa, já que não influenciam diretamente na qualidade do produto e podem ser trocadas rapidamente.

Dessa forma é permitido que sejam realizadas manutenções corretivas para esse grupo.

Como implantar a manutenção preventiva na empresa?

Para implantar a manutenção preventiva na empresa é importante manter uma base de dados com informações sobre as máquinas, revisões, alterações e trocas realizadas. Esse documento é um grande aliado no planejamento de medidas e na avaliação da periodicidade das manutenções.

Em seguida, divida cada aparelho em conjuntos de mesma funcionalidade, pois essa estratégia facilita a organização dos ajustes. Os planos de manutenção devem ser elaborados para cada agrupamento, com base no tempo de uso.

Dependendo da tecnologia e da complexidade dela, você pode fazer de duas a três paradas no ano para realizar a manutenção preventiva.

Todo maquinário que utilizamos está sujeito à deterioração com o uso e com a passagem do tempo. Para lidar com esses entraves, existem as manutenções, que podem ser preventivas ou corretivas.

Mas se você quer fazer os ajustes com planejamento, de forma a evitar prejuízos na produção e ainda garantir uma maior vida útil para os seus equipamentos, a manutenção preventiva é a melhor opção.

Com ela você terá mais economia ao longo prazo e garantirá uma boa imagem para a corporação, pois vai evitar atrasos nas entregas devido aos imprevistos. Para implantá-la na empresa, é importante manter um banco de dados organizado, que ajudará você a gerenciar a periodicidade das revisões.

Aprenda ainda mais. Convido você a baixar o nosso ebook sobre gestão de chão de fábrica para ampliar ainda mais seu conhecimento de gestão industrial e assim obter resultados cada vez melhores.

Software ERP Para controle da producao

Compartilhe esta matéria:


Tags: ,


Engenheiro Mecânico Industrial formado na UERJ e especialista em implantação de sistemas de gestão Industrial na Nomus. Thiago já atuou em fábricas de diversos setores, como: Embarcações, perfuração submarina, metal-mecânica, materiais de escritório, alimentício, cosméticos e tubulação.


Participe! Deixe o seu comentário agora mesmo:




Junte-se a 47.312 gestores e profissionais da indústria

Receba dicas semanais de engenheiros de produção direto no seu email e turbine sua a gestão da sua indústria. Inscreva-se gratuitamente:


Seu email está seguro e você nunca receberá spam