Fluxo de caixa: o que é e para que serve?

Atualizado em 15/10/20 - Escrito por João Pimenta na(s) categoria(s): Custos e Finanças / Marketing e vendas / Processos e Organização

Seis Sigma

A enfadonha explicação do funcionamento dessa incrível ferramenta continua sendo utilizada. Todos os lançamentos de entrada e saída de capital compõem o que chamamos de fluxo de caixa.

O controle de estoque e o fluxo de caixa possuem exatamente a mesma lógica. O saldo final do meu produto no meu estoque pode ser substituído pelo valor final em conta bancária na conta corrente. Para saber o saldo do meu produto eu preciso registrar todas as entradas e saídas, sem exceção. O fluxo é a mesma coisa, para que o extrato seja equivalente precisamos registrar todos os lançamentos de entrada e saída de determinada conta.

LEIA MAIS – [Planilha] Controle de fluxo de caixa para indústrias

Para exemplificar, podemos ver um fluxo normal financeiro para empresas que fabricam sob encomenda.

Para esse exemplo vamos imaginar que não há nada em estoque e acabamos de venda um produto que precisamos fabricar.

Digamos ainda que o saldo inicial da empresa é R$ 20.000,00, a venda é de R$ 100.000,00 e o custo de matéria prima para essa venda é de R$ 45.000,00. Além disso, o tempo de produção será de exatamente um mês e as despesas fixas desse mês são R$ 15.000,00. E, por fim, as condições de pagamento de compra são 30/45/60 e condições de pagamento de venda são 15/30.

Vejamos como ficaria nosso exemplo:

Nesse exemplo podemos ver com clareza que no dia 30 teríamos um saldo negativo de R$ 10.000,00. Por mais simples que pareça, sem utilizar essa ferramenta não teríamos como saber que dia 30 estaríamos descobertos financeiramente.

Ao verificar esse relatório simples o gestor pode pensar em diversas formas de resolver esse problema, por exemplo:

  1. Pagar multa por atraso de despesas fixas ou matérias primas;
  2. Antecipar a entrega da metade da produção e receber antecipado;
  3. Negociar empréstimos com o banco;
  4. Etc.

Vejamos como nosso fluxo ficaria no caso 2:

Com a alteração da entrega podemos observar que o saldo negativo do dia 30 é resolvido, porém teríamos um custo adicional com transporte.

Poderíamos continuar simulando todos os cenários possíveis até chegar em um cenário em que o saldo final no dia 75 seja o maior possível e ambos, clientes e fornecedores estejam satisfeitos.

Nem sempre isso é possível, mas, sem dúvidas, antecipar esse tipo de situação garante segurança na tomada de decisão. Descobrir no dia 30 que não será possível arcar com todas as obrigações financeiras da empresa sem dúvidas é o pior cenário.

O fluxo de caixa é isso, uma poderosa ferramenta capaz de munir o gestor com informações extremamente relevantes para tomada de decisão.

LEIA MAIS –  4 dicas para organizar o fluxo de caixa da sua empresa

Principais divisões do fluxo de caixa

O fluxo de caixa pode ser um pouco mais organizado do que o exemplo que vimos acima. Essa ferramenta de apoio é alimentada com lançamentos de diversos tipos. Os lançamentos podem ser subdivididos em (as classificações representam as subdivisões e os indicadores são possíveis análises com base nas classificações):

  • [Classificação] Receita operacional bruta – Entradas derivadas da atividade fim da empresa como serviços e produtos.
  • [Classificação] Custos de venda – Saídas associadas às entradas como impostos, fretes, comissões de vendas, etc.
  • [Indicador] Receita operacional líquida – Resultado do cálculo (Receita operacional bruta – Custos de venda). Representa o valor real da receita operacional que pode ser utilizado pela empresa para pagar suas despesas e custos operacionais.
  • [Classificação] Custos operacionais variáveis – Saídas associadas às compras de matéria prima e quaisquer outros custos diretamente ligados com a execução da atividade fim da empresa.
  • [Indicador] Margem de contribuição – Resultado do cálculo (Receita operacional líquida – Custos operacionais variáveis). Representa o valor da receita operacional que pode ser utilizado para pagar despesas administrativas como despesas com equipe administrativa, material de uso e consumo, água, etc. A margem de contribuição é um dos principais indicadores da indústria já que garante noção de quão lucrativa é a operação da empresa.
  • [Classificação] Custos e despesas operacionais – Saídas associadas às despesas com pessoal, Infraestrutura, manutenção, etc.
  • [Indicador] Resultado operacional – Resultado do cálculo (Margem de contribuição – Custos e despesas operacionais). Representa o resultado real da operação da empresa. Através desse indicador é possível perceber se o fluxo de caixa da empresa consegue se manter estável sem necessidade de intervenção. Aqui vemos se o negócio é viável financeiramente.
  • [Classificação] Variação de caixa não operacional – Entradas e saídas não associadas a atividade fim da empresa como retorno de investimento, empréstimo de banco, juros e multas por pagamento em atraso, etc.
  • [Indicador] Variação de caixa real – Resultado do cálculo (Resultado operacional – Variação de caixa não operacional). Representa a variação real de caixa no período. Esse é o indicador final que deve trazer quanto realmente o caixa variou no período analisado.

Razão de ser do fluxo de caixa

O fluxo de caixa é uma ferramenta sensacional. Por mais banal que pareça a sua ampla utilização é comprovação fatídica da sua importância.

Essa ferramenta garante visualização diferenciada e resumida de todas as movimentações financeiras em determinado período para garantir tomada de decisão assertiva e dentro de tempo hábil para realizá-la.

Com o fluxo em mãos o gestor deve conseguir responder:

  • Vamos ter sobra ou falta de dinheiro?
  • Podemos estender condições de pagamento para clientes?
  • Preciso estender as condições de pagamento dos meus fornecedores?
  • Preciso adquirir empréstimos?
  • Posso investir com tranquilidade?
  • Aumentos salariais são viáveis?
  • Projetos de investimento interno podem ser realizados?
  • Qual é a saúde financeira do meu negócio?

Controle seu fluxo de caixa com segurança

Busque a ferramenta certa para gerir seu fluxo de caixa. Caso queira contar com a nossa ajuda para auxiliar você nessa jornada, assista uma Demonstração prática do software Nomus ERP Industrial e veja como funciona.

Nomus ERP Industrial

Compartilhe esta matéria:


Tags:




Participe! Deixe o seu comentário agora mesmo: