Variações do PDCA: conheça o PDSA, PDCL e SDSA

Atualizado em 31/01/19 - Escrito por Thiago Leão na(s) categoria(s): Qualidade

Gestão da Qualidade

Hoje vamos falar das variações do PDCA. Se você ainda não conhece a ferramenta, o PDCA é uma ferramenta de gestão que significa Plan, Do, Check, Act (em português: Planejar, Fazer, Checar e Agir) e tem como objetivo a melhoria contínua em processos.

Inicialmente o PDCA era uma ferramenta da qualidade criada pelo físico estadunidense Walter A. Shewhart na década de 20 e depois difundida pelo Willian E. Deming.

Hoje a ferramenta já está amplamente incorporada a todos os aspectos de gestão é utilizada na grande maioria dos cursos de administração e gestão.

Com toda essa utilização, ao longo do tempo surgiram variações do PDCA. Algumas mais conhecidas são: PDCL, PDSA e SDSA. Vamos ver o que são e como funcionam essas variações do PDCA. Confira:

Variações do PDCA

Leia também: Ciclo PDCA: o que é e como usar

PDSA – Plan, Do, Study, Act

O PDSA substitui a etapa Check, ou verificação, por Study, ou estudar. Entretanto, a verificação não foi removida do ciclo.

Essa variação do PDCA foi proposta pelo próprio Deming (que vimos acima ser um dos principais responsáveis por difundir a ferramenta), já que ele acreditava que a fase de verificar passava um ar superficial e precisava ser mais aprofundada.

Sendo assim, o check passou a ser chamado de Study, sendo uma melhoria para o método, que agora é mais significativo e estruturado.

No Study do PDSA você aprofunda as análises do ciclo, para descobrir o que funcionou ou não no processo. É preciso coletar os dados da execução do ciclo PDCA para servir como material de estudo. Dessa forma sua equipe poderá determinar o que causou o sucesso ou fracasso do projeto.

Veja também: 64 siglas de gestão industrial que todo gestor precisa saber

PDCL – Plan, Do, Check, Learn

A segunda variação do PDCA é o PDCL, que substitui a etapa final Act, ou agir, por Learn, ou aprender.

A ideia é substituir a última etapa para focar no aprendizado.

Sendo assim, no PDCL após a verificação do planejamento e execução, sua equipe foca em aprender sobre o processo.

O próximo ciclo poderá rodar novamente aplicando tudo que aprenderam durante a última etapa de Learn.

SDSA – Standard, Do, Study, Act

O SDSA é a terceira e mais alterada variação do PDCA. Nessa variação o Plan é substituído pelo Standard, ou padronizar, e a etapa Check é substituída pela Study, ou estudar.

O objetivo dessas mudanças é modificar processos. Isso porque a primeira etapa de padronização cria novos padrões e rotinas para as atividades do processo.

Depois que o processo foi padronizado, a ferramenta segue o fluxo normal do PDCA com o passo Do, ou fazer, e então vamos para a fase de estudo. No SDSA o estudo visa identificar se as mudanças nos padrões deram certo ou não e também o que pode ser melhorado.

Uma vez que o estudo foi finalizado, sua equipe chega na fase de agir e implantar as melhorias identificadas.

Qual a melhor opção entre as variações do PDCA?

Como você deve imaginar, não existe uma resposta fixa aqui. Depende do objetivo do seu ciclo e processo.

É natural para as pessoas que já aplicam o PDCA, acabar utilizando as variações conforme vão rodando os ciclos na prática. Como por exemplo, estudar durante a fase de verificação e aprender durante a fase de agir.

Determine qual o objetivo você quer alcançar com o seu ciclo de melhoria e escolha a melhor variação para o seu projeto. Por exemplo, se pretende implantar um novo padrão na sua fábrica, o ideal é escolher o SDSA.

Foque na melhoria continua

É fundamental que não se esqueça do objetivo principal do PDCA e suas variações: a melhoria continua.

Com isso em mente, não perca muito tempo tentando determinar qual a melhor das variações do PDCA. Ao invés disso, foque em como melhorar seus processos a cada vez que roda o seu ciclo.

Se você possuir esse foco, de alcançar a melhoria, o resultado virá naturalmente, já que intuitivamente você irá percorrer pelas etapas necessárias para o seu caso específico.

Dessa forma você vai alcançar processos cada vez melhores e com isso melhorar os resultados da sua indústria como um todo.

Afinal, esse é o verdadeiro objetivo de todos nós que trabalhamos na indústria, certo?

Conheça outras ferramentas de gestão

Além das variações do PDCA, já falamos sobre diversas outras ferramentas de gestão aqui no Blog Industrial.

Recomendo que leia esse artigo para ampliar seu conhecimento:

6 ferramentas de gestão essenciais para uma pequena indústria

Fique a vontade para entrar em contato comigo caso tenha alguma dúvida ou precise de ajuda na gestão da sua fábrica. Um abraço!

Gestão da Qualidade

Compartilhe esta matéria:


Tags:


Engenheiro Mecânico Industrial formado na UERJ e especialista em implantação de sistemas de gestão Industrial na Nomus. Thiago já atuou em fábricas de diversos setores, como: Embarcações, perfuração submarina, metal-mecânica, materiais de escritório, alimentício, cosméticos e tubulação.



Receba no seu email.

Os melhores artigos, ebooks e planilhas de gestão da produção industrial, gratuitamente, no seu email.



Software ERP para sua indústria: Nomus ERP


Junte-se a 47.312 gestores e profissionais da indústria

Receba dicas semanais de engenheiros de produção direto no seu email e turbine sua a gestão da sua indústria. Inscreva-se gratuitamente:


Seu email está seguro e você nunca receberá spam