Preço de venda alto: vendo mais caro do que posso ou preciso

Atualizado em 12/02/20 - Escrito por Thiago Leão na(s) categoria(s): Custos e Finanças / Engenharia de produto / Estratégia

Custos industriais

Com certeza você já ouviu falar no termo “bom e barato”. Para o consumidor é ótimo, mas nem sempre é uma tarefa fácil formar o preço de venda dos produtos. Vender com o preço de venda alto, ou seja, mais caro do que o necessário, pode trazer prejuízos a sua empresa.

Neste artigo você pode conferir em vídeo e a transcrição completa do vigésimo Dores da Indústria, onde falamos sobre ter um preço de venda alto e vender mais caro do que o necessário. Mostramos como buscar a solução para esse grupo de dores da Gestão de Custos.

VEJA MAIS – Como formar o preço de venda de um produto e maximizar o lucro da sua fábrica

Talvez você nem saiba como esse problema possa estar afetando sua indústria. Assista o vídeo abaixo e veja como sua empresa pode estar perdendo dinheiro e como tratar essa dor:

Gostou do vídeo? Receba em seu email.

Inscreva-se gratuitamente a receba em primeira mão os vídeos do Blog Industrial Nomus.

Espero que este vídeo tenha ajudado a abrir seus olhos para este problema, seus impactos e também como resolvê-lo. Se você gostou deste material, curta, compartilhe e deixe seu comentário. Vamos criar uma comunidade de gestores e profissionais que se ajudam e aprendem juntos. Participe!

Aguarde o próximo vídeo da série Dores da Indústria, toda quinta-feira, no Blog Industrial. Enquanto aguarda, assista uma demonstração do nosso ERP Industrial e também acompanhe o Papo de Produção.

Veja os outros vídeos da série Dores da indústria

Preço de venda: vendo mais caro do que posso ou preciso

A gestão de custos para muitos é um mistério. Um celeiro com vários desafios. No meu caso essa foi a área que me encantou na Engenharia de Produção, onde fiz mais trabalhos profissionais e até projetos de fim de curso na época da faculdade.

Têm um ditado traduzido do inglês, que um professor dizia, que “caixa é fato, custo é opinião”. Talvez a Gestão de Custos seja um dilema porque quando falamos de custos, muitas vezes trazemos opiniões.

Leia mais – Você sabe o que são custos fixos, variáveis, diretos e indiretos?

Apesar das opiniões, o importante é que suas informações de custos não te levem a decisões erradas. Por exemplo, você deixa de fabricar um produto por achar que está dando prejuízo e com essa decisão, a empresa começa a dar prejuízo. Isso pode acontecer.

Então é importante ter esse alinhamento das informações de custos com a tomada de decisão. Dessa forma você poderá tomar decisões corretas, com base nas informações de custos da sua empresa.

Formando preço de venda

No mapa mental estendi a dor de não saber formar preço de venda dos meus produtos em duas categorias. Hoje falaremos da primeira: Vendo mais caro do que posso ou preciso.

A área de formação de preço de venda vai muito além da gestão de custos. Conhecer seus custos é fundamental, principalmente, para não vender com prejuízo, nem muito mais caro do que poderia. Formar preços é uma arte.

Normalmente, na formação do preço de venda observamos o concorrente e o valor que o cliente percebe para aquele item, mas não necessariamente precisa ser assim…

Custos industriais

História real

Há muitos anos atrás, estava voltando da praia com alguns amigos. Então, uma amiga parou na frente de uma loja de bolsas de uma famosa marca francesa. Na vitrine havia uma toalha de praia no valor de R$ 900 (isso há 15 anos). Brincamos, dizendo que a “toalha devia ser de ouro”, mas não, foi o preço que a marca decidiu colocar em seu produto.

Preço x Custo

Na maioria dos mercados mais competitivos o preço acaba se aproximando dos custos. Em geral, as empresas querem vender para ter uma margem, então, acabam formando o preço em função do custo. Assim, os concorrentes observam essas empresas fazendo parecido e estabelecendo uma boa margem.

Se você está no mercado competitivo, vendendo um produto com preço de venda alto e mais caro do que o seu concorrente por achar que vendendo mais barato não vai existir margem, você pode estar perdendo venda.

Perda financeira por ter um preço de venda alto

Nesta dor, você está perdendo venda porque está com um preço de venda alto e vendendo mais caro do que deveria, buscando um volume de vendas adequado. Isso acontece por não saber o preço de venda do produto, ocasionando na formação inadequada do valor.

Não existe uma fórmula mágica para formar o preço de venda. Já ouvi em indústrias, que a conta exata para a formação do valor final do produto é “matéria prima x 10”. Esta conta pode não ser mais aceita no mercado de hoje.

Qual a perda financeira por estar vendendo mais caro do que deveria?

Para saber qual é a sua perda financeira, é preciso ter uma gestão do relacionamento com os clientes, um sistema de CRM que você apure a quantidade de vendas e a causa das perdas das negociações, ou seja, que diga o porquê das propostas terem sido rejeitadas.

Vamos fazer um exemplo:

Supondo que se vende R$ 100 mil por mês e acredito que deixo de vender R$ 10 mil neste período por conta do preço do meu produto.

Caso você vendesse mais barato seu lucro poderia ser maior. Sua empresa venderia um volume maior, tal qual, mesmo com um preço reduzido, alcançasse R$ 110 mil em faturamento. Então, você pode estar perdendo a margem que esses R$ 10 mil trariam para você. Esta margem de contribuição (diferença do preço pelos custos variáveis) que pode acabar se tornando o lucro.

Veja na prática

Este é um exemplo hipotético. É preciso que você leve para a realidade da sua indústria para descobrir o quanto você está perdendo de vendas e qual a margem que isso traria, por vender mais caro do que deveria. A Gestão de Custos pode mudar o rumo da sua empresa, levando a resultados fantásticos. Essas e outras praticidades podem ser vistas ao assistir uma apresentação do Nomus ERP Industrial, o software de gestão focado em indústrias e desenvolvido por engenheiros de produção.

Nomus ERP Industrial

Compartilhe esta matéria:


Tags: ,


Engenheiro Mecânico Industrial formado na UERJ e especialista em implantação de sistemas de gestão Industrial na Nomus. Thiago já atuou em fábricas de diversos setores, como: Embarcações, perfuração submarina, metal-mecânica, materiais de escritório, alimentício, cosméticos e tubulação.